Nota

Clarice, baratas e crises existenciais

foto por Ricardo Hino, direção Débora Rosa e concepção Larissa Oyadomari

foto por Ricardo Hino, direção Débora Rosa e concepção Larissa Oyadomari

Numa das levas de livros que eu quis trazer pra minha casa (como ainda não tenho espaço suficiente para guardar todos, está sendo bem aos poucos a mudança dos livros) eu encontrei A Paixão segundo G.H. Percebi que tinha um marca página quase no fim do livro. Eu lembro que comecei a ler o livro faz uns três ou quatro anos pelo menos. Compramos esse livro numa promoção em algum site, junto com Laços de Familia (livro de contos, que adoro, bem o meu estilo, quando lembrar de trazê-lo pra cá, farei um post sobre).

Eu me auto-desafiei a (re)lê-lo! E não foi nada fácil, apesar do livro ser pequeno (179 páginas). Mas fiquei feliz por ter finalizado essa leitura que me foi indicada ainda no Ensino Médio pela querida Su.

É bem difícil escrever sobre esse livro, e nem me atrevo a tentar fazer uma resenha dele. O que me restou foi compartilhar com vocês alguns trechos que me afetaram especialmente.

Vale falar, se tem uma coisa que é difícil é passar ilesa por essa leitura. Fiquei mal, abalada, logo de cara. E agora, vejo que foram os trechos iniciais que falaram algo mais pra mim. Como se fosse algo pra se ler num momento em que eu precisava ler aquilo para refletir e entrar em uma crise existencial (ou não) .

Quando um livro começa com um alerta, você já sabe que tem que se preparar psicologicamente:

Este livro é como um livro qualquer.

Mas eu ficaria contente se fosse lido apenas por pessoas de alma já formada. Aquelas que sabem que a aproximação, do que quer que seja,se faz gradualmente e penosamente – atravessando inclusive o oposto daquilo que se vai aproximar.

Aquelas pessoas que, só elas, entenderão bem devagar que este livro nada tira de ninguém.

Logo nas primeiras páginas, sobre essência do ser.

(…) Perdi alguma coisa que me era essencial, e que já não me é mais. Não me é necessária, assim como seu eu tivesse perdido uma terceira perna que até então me impossibilitava de andar mas que fazia de mim um tripé estável. Essa terceira perna eu perdi. E voltei a ser uma pessoa que nunca fui.

Da (des)organização…

(…)p.12

Estou desorganizada porque perdi o que não precisava? (…)

É difícil perder-se . É tão difícil que provavelmente arrumarei depressa um modo de me achar, mesmo que achar-me seja de novo a mentira de que vivo. Até agora achar-me era já ter uma ideia de pessoa e nela me engastar: nessa pessoa organizada e me encarnava, e nem mesmo sentia o grande esforço de construção que era viver. A ideia que eu fazia de pessoa vinha de minha terceira perna, daquela que me plantava no chão. Mas e agora? estarei mais livre?

Não. Sei que ainda não estou sentindo livremente, que de novo penso porque tenho por objetivo achar – e que por segurança chamarei de achar o momento em que encontrar um meio de saída. (…) Se tiver coragem, eu me deixarei continuar perdida. Mas tenho medo do que é novo e tenho medo de viver o que não entendo – quero sempre ter a garantia de pelo menos estar pensando que entendo, não sei me entregar à desorientação. Como é que se explica que o meu maior medo seja exatamente em relação:a ser? e no entanto não há outro caminho. Como se explica que o meu maior medo seja exatamente o de ir vivendo o que for sendo? (…)

p.. 13

E uma desilusão. Mas desilusão de quê? se, sem ao menos sentir, eu mal devia estar tolerndo minha oganização apenas construída? Talvez desilusão seja o medo de não pertencer mais a um sistema. No entanto se deveria dizer assim: ele está muito feliz porque finalmente foi desiludido. O que eu era antes não me era bom. mas era desse não bom que eu havia organizado o melhor: a esperança. De meu próprio mal eu havia criado um bem futuro. O medo agorá é que meu novo modo não faça sentido? Mas por que não me deixo guiar pelo que for acontecendo? Terei que correr o sagrado risco do acaso. E substituitei o destino pela probabilidade.

sobre infância

No entanto na infância as descobertas terão sido como num laboratório onde se acha o que se achar? Foi como adulto então que eu tive medo e criei a terceira perna? Mas como adulto terei a coragem infantil de me perder? perder-se significa ir achando e nem saber o que fazer do que se for achando.

Pra quem ficou interessado (a) , cotação de preços na estante virtual aqui.

Até a próxima,

Larissa.

Anúncios
Nota

Viagem

Estava no ônibus que passa na consolação e vai até dentro da USP. Era tempo de maluquice, sair de Cotia bem cedinho – eu e meu pai nos denominávamos “madrugadores da Granja”, pra ir pra São Paulo. Aulas pela manhã no curso de Letras do Mackenzie, almoço lá mesmo e ônibus pra USP, aula das 14h às 18h do curso de História.

Estava sentada na parte da frente, segunda fila, assento da janela. Uma senhorinha entra carregando uma mala bem, bem grande, com alguma dificuldade. Ela senta-se ao meu lado, coloca a mala no espaço em frente ao assento e levemente encolhe as pernas.

“Eu vou viajar” – ela me diz, com orgulho, olhando pra mala.

“É a primeira vez que vou visitar os meus parentes, está tudo certo, combinei com a patroa” – eu sorrio, olho pra ela e olho pra mala.

Seguimos o resto da viagem em silêncio – mas não foi um silêncio constrangedor. Foi um silêncio em que eu tinha a certeza de que ela se imaginava viajando com sua mala nova, visitando os parentes, pela primeira vez.